Menu

Grupos contra e pró-governo se hostilizam no salão verde da Câmara

Grupos contra e pró-governo se hostilizam no salão verde da Câmara

Manifestantes contrários e favoráveis ao impeachment da presidente Dilma Rousseff se hostilizaram nesta segunda-feira (28) no salão verde da Câmara dos Deputados. Em meio ao protesto, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, foi alvo de críticas de simpatizantes do governo federal no momento em que chegou ao prédio do Congresso Nacional para formalizar um novo pedido de afastamento da presidente.

No dia 18, a OAB decidiu apoiar o pedido de afastamento de Dilma. Além disso, a Ordem decidiu apresentar um novo pedido de impeachment tendo como base as "pedaladas fiscais", a renúncia fiscal em favor da Fifa durante a Copa do Mundo de 2014 e a intenção de Dilma de beneficiar um aliado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, dando-lhe a prerrogativa de ministro.

Parte dos manifestantes que participaram do protesto no Salão Verde foi à Câmara prostestar contra o pedido de impeachment elaborado pelo Conselho Federal da OAB.

Em alguns momentos houve bate-boca entre manifestantes, mas até às 16h30 a segurança havia conseguido evitar agressões físicas.

O grupo contrário ao impeachment também gritou palavras de ordem congra a Rede Globo, enquanto os outros manifestantes diziam: "Aqui não é Venezuela". Em alguns momentos predonivam os gritos dos defensores do governo, enquanto em outros, era mais forte o protesto dos oposicionistas.

Ao chegar ao prédio do parlamento, o presidente da OAB foi cercado pelos manifesfantes que apoio Dilma, tendo dificuldades para se locomover pelo Salão Verde. Apesar de ter ocorrido bate-boca entre os manifestantes, até a última atualização desta reportagem não havia registro de agressões entre os dois grupos.

De um lado, simpatizantes do governo repetiam a frase "A verdade é dura, a OAB apoiou a ditadura". No outro lado, opositores da gestão petista gritava "Fora, PT" e "Lula, ladrão". Apesar de os grupos terem ficado frente a frente, não há registro de agressões.

O grupo pró-Dilma conta com a partipação de deputados e senadores do PT, entre os quais o líder do governo no Senado, Humberto Costa (PE).

Enquanto o grupo favorável ao governo protestava no Salão Verde aos gritos de "Não, vai ter golpe", pessoas que defedem o afastamento de Dilme, dentre as quais vários servidores sa Câmara e deputados da oposição, se agruparam no mesmo local para pedir a saída da presidente.

voltar ao topo