Menu

Posicionamento dos pecuaristas diante do baixo preço pago pela arroba do boi

Posicionamento dos pecuaristas diante do baixo preço pago pela arroba do boi

Você já imaginou trabalhar em uma atividade onde o valor pago pelo seu produto não cubra os custos de produção? Essa é a situação enfrentada pelos pecuaristas de Rondônia. Sabemos que os produtores rurais de todo Brasil enfrentam problemas das mais variadas ordens, mas em Rondônia a situação se agrava e toma dimensões catastróficas por causa do baixo preço pago pela arroba do boi.

O grande problema é que essa queda nos preços pagos ao produtor, não refletiu nas prateleiras dos supermercados, tampouco na mesa do consumidor, pelo contrário, no varejo o preço da carne sofreu elevação. Para o pecuarista, a situação é ainda mais agravante, pois o valor pago pela indústria frigorífica, em nosso Estado, não cobre os custos de produção (COT), conforme demonstra estudos da CNA.

Até maio/2015 o preço da @ do boi em RO esteve equiparado ao PA e MT, historicamente equiparados aos mesmos percentuais de diferencial de base com SP. Porém a partir de junho/2015, somente em RO, os preços da @, sofreram uma queda abrupta, inexplicável, orquestrada, distanciando RO das demais praças, chegando a 20% dos preços de SP, e permanecendo em baixa, dos menores preços do Brasil. 

Desde novembro/2015, os produtores rurais de Rondônia, vem se reunindo em todo o Estado e Capital, buscando o diálogo e aproximação com as indústrias frigoríficas e governo, afim de chegar a um entendimento, do que mais parece um descarado alinhamento de preços. 
A união dos produtores resultou no movimento intitulado "O GRITO DA PECUÁRIA", que está ecoando positivamente por todo o Brasil.

Em 15/02/2016, foi realizada uma reunião no palácio do governo, em Porto Velho, com a presença dos responsáveis pelos maiores frigoríficos instalados em RO, com a presença maciça dos produtores rurais, e com a mediação do Governo do Estado, onde foi apresentado aos frigoríficos os questionamentos sobre a queda nos preços da @ em RO. Diante das argumentações, os frigoríficos ali presentes, solicitaram, através da ABIEC, marcar uma nova reunião para apresentar soluções as tratativas. Foi definida a data de 25/02/2016, local FIERO, Porto Velho/RO.

Na data marcada, novamente presentes o governo do Estado, as comissões de produtores, e os frigoríficos aparentemente com objetivo de enfraquecer o movimento, encaminharam para reunião apenas o Presidente da ABIEC, sr Antonio Camardeli, que apesar de solícito, se manifestou sem autonomia para a negociação de preços, e foi fortemente repudiado pelos presentes. Camardeli assumiu perante todos os presentes, o compromisso de levar a mensagem dos produtores novamente aos frigoríficos afiliados à ABIEC, acrescentando-lhes a devida severidade do assunto:

"CONTINUAMOS DISPOSTOS AO FORTALECIMENTO DA PARCERIA (ProdutorXFrigorifico) EM RO, PORÉM A RETOMADA DOS PREÇOS NO ESTADO É PRE-REQUISITO PARA TODAS AS DEMAIS AÇÕES POSSÍVEIS, QUE BENEFICIAM TODA A CADEIA. 
SOLICITAMOS UM POSICIONAMENTO CONCRETO DAS INDÚSTRIAS, A FIM DE EVITAR UM CONFRONTO. ENTENDEREMOS A OMISSÃO COMO UMA NEGATIVA."

Foi estabelecido novo prazo para manifestação até dia 07/03/2016, e será encaminhado ofício formal a todos os frigoríficos.

Demais tratativas e assuntos abordados na Reunião 25/02:

* Instalação oficial da CÂMARA SETORIAL DA CARNE BOVINA do Estado de RO.
* Credenciamento do Estado para BOI EUROPA;
* Invasões de terras no Estado:
* Ferrovia transoceânica;
* Hidrovia do Madeira;
* China negócios com RO;
* Missão Equatoriana para transações comerciais escoadas pelo Rio Madeira e Amazonas.
* Estado de Rondônia livre da peste suína clássica;
* E demais ações a serem organizadas em todo Estado a partir de março/2016, dentre outros;

O assunto não está encerrado, o GRITO DA PECUÁRIA ecoa cada vez mais longe, porque somos todos do agronegócio.

Dorival de Souza Gaspar
APA – Associação dos Pecuaristas de Ariquemes

voltar ao topo